17/06/2017 - 06:08

O desafio do eleitor: acreditar no novo - Jornalista Manoel Afonso

Manoel Afonso
100 ANOS Ex-governador Wilson B. Martins completando 100 anos de idade. Probo, adotou o discurso moralista ( sem eco) da UDN, mas sem gente competente no seu entorno, cometeu equívocos e erros administrativos que custaram caro ao cofres do Estado. O final do 2º mandato foi pífio.

ENERSUL Patrimônio sólido, rentável, privatizado para tornar o Estado ‘mais leve’ ( e mais pobre). Os deputados estaduais aprovaram, a exemplo da venda da Sanesul da capital - pelo ex-governador Puccinelli. Ficamos a chupar dedos. Ora! ‘Dobrar’ os deputados é mais pratico.

OS NEGÓCIOS da administração pública deveriam ser monitorados pela sociedade. Os parlamentares, em todos os níveis, costumam fazer o jogo do Executivo em manobras espúrias - como essas que a ‘Lava Jato’ revelou. Maracutaias das grandes campeiam pelo país afora.

‘PEGADINHAS’ Viram só! Bastava mudar um simples parágrafo de uma lei para o ex-poderoso Eduardo Cunha (PMDB) ganhar milhões das empresas beneficiadas. O mesmo expediente, nas devidas proporções, de gestores públicos que fazem do discurso ético o passaporte para vantagens pessoais.

NA PRATICA sabe-se como funciona em Brasília. Parlamentares espertalhões que tem poder de fogo na influência da bancada ou partido acabam levando parte do dízimo dado pela empresa interessada nesta ou naquela lei – de incentivos fiscais por exemplo. E isso não vai parar nunca?

A SITUAÇÃO chegou a tal ponto de que ao passarmos perto de uma obra pública, ou ao lermos a notícia sobre um futuro projeto governamental – vem o questionamento automático: "quanto será que o fulano, o sicrano estarão levando por fora?" É a generalização da culpa.

INDIGNAÇÃO "Como os nossos políticos enriquecem tão rápido e mantém padrão de vida tão alto?" As manobras salariais e as vantagens reveladas por exemplo no caso do senador Aécio Neves (PSDB) passa ao leitor a ideia do ‘expediente legal’ que há – do Senado às Câmaras Municipais.

‘APRENDIZES’ O temor nas revelações da Lava Jato, é que truques mostrados para ‘Cunha e cia’ ganhar dinheiro, sejam assimilados por vereadores. É igualzinho aquelas reportagens sobre assaltos e golpes que incentivam e ensinam gente mal intencionada a se iniciar no mundo do crime.

‘NOITES TRAIÇOEIRAS’ O ex-governador Puccinelli (PMDB) repetia seus projetos: os netos e o instituto para incentivar os jovens na iniciação profissional. Quanto ao primeiro item nada sei; já o segundo é pura abstração. Os ‘ventos’ mudaram, a prioridade é ‘outra’. A sua candidatura apregoada por escudeiros passará pelos crivos da justiça e da opinião pública.

BASTIDORES Sem nomes competitivos e com o desgaste no cenário nacional, o PMDB deve cooptar um nome para viabilizar a eleição dos candidatos na proporcional. Lembra? Em 1998 apoiou o tucano Ricardo Bacha. Fala-se no prefeito Waldeli de Costa Rica e na ex-vereadora Carla Stefanini (PMDB), candidata a vice governadora.

NÃO FUJA! Desvie dos shoppings da capital e passe lá pela antiga rodoviária para conferir o outro lado da ‘Morena mais bonita do Brasil’. É de estarrecer, de dar um nó na alma o estado em que vivem dezenas de pessoas drogadas. A sociedade não pode ser covarde e hipócrita. O desafio há de ser enfrentado.



OBSERVO Poucos na sociedade topam encarar essa parada. Algumas igrejas e raros políticos. O deputado estadual Lídio Lopes (PEN) é um exemplo. Numa chácara na região das ‘3 Barras’ mantém estrutura que cuida de 28 jovens. Iniciativas como essa devem ser divulgadas para chamar atenção de quem vira o rosto para o problema.



‘AVESTRUZES’ Adotar a postura dessa ave não vale. Utopia pensar que sua família esteja livre do vício. A sociedade precisa se encorajar. Os governos preferem investir em outros nichos por votos ou lucros. Festas, festivais, Copa do Mundo e Olimpíadas são exemplos. Inversão de prioridades.

Voltar
Site desenvolvido por: