07/01/2018 - 07:55

Odilon espelha no exemplo do ex-juiz governador, Flávio Dino

Manoel Afonso
O CARA! Flavio Dino (PC do B) é o governador (Maranhão) melhor avaliado na comparação entre a proposta de campanha registrada no TSE e o que foi realizada até 02/01/2018. Os números da pesquisa foram publicados recentemente no site G1, onde consta o desempenho de todos os governadores no mesmo período.

LÍDER Flávio Dino, 1º lugar no concurso para Juiz Federal em 1994 largou o cargo em 2006 elegendo-se deputado federal. Em 2008 tentou a prefeitura de São Luiz, perdeu para João Castelo (MDB). Em 2010 perdeu o Governo para Roseana Sarney (MDB) e em 2014 se elegeu contra Lobão Filho (MDB). Segundo os critérios da avaliação, ele cumpriu 91,89% de suas promessas eleitorais.
 
O FATO merece registro pelo fato dele sair da Magistratura Federal e demonstrar competência administrativa, ao contrário da pregação crítica das lideranças no entorno do clã Sarney desde 1956. Ele arrebentou as porteiras dos velhos currais eleitorais mantidos pelo estilo do coronelismo que castigou o Maranhão com o pior IDH do país.

O FENÔMENO Flávio Dino acaba repercutindo no cenário político do MS. pelas coincidências inegáveis. O candidato Odilon de Oliveira (PDT) é também ex-juiz federal e prega o fim da hegemonia dos grupos políticos que se revezam no poder desde a criação do Estado. Os críticos de Odilon que se reportam a administração de Pedro Taques (PSDB) em Mato Grosso, não devem ignorar o bom exemplo do ex- juiz Flavio Dino no Maranhão.

LISTA de avaliação dos governadores: 1º – Flávio Dino (MA), 2º – Confúcio Moura (RO), 3º – Raimundo Colombo (SC), 4º – Marconi Pirillo (GO), 5º – Camilo Santana (CE), Geraldo Alckmin ( SP), 6º – Simão Jatene (PA), 7º – Paulo Câmara (PE), 8º – Marcelo Miranda ( TO), 9º – Waldez Goes (AP), 10º – Wellington Dias (PI), 11º – Beto Richa (PR), 12º – Rui Costa (BA), 13º – Jackson Barreto (SE), 14º – Pedro Taques (MT), 15º – Ricardo Coutinho ( PB), 16º – Robson Faria ( RN), 17º – Renan Filho (AL), 18º – Fernando Pimentel (MG), 19º – Ivo Sartori (RS), 20º – Sueli Campos (RR), 21º – Paulo Hartung (ES), 22º – Rodrigo Rollemberg (DF), 23º – Reinaldo Azambuja (MS), 24º – Pezão (RJ), 25 – Tião Viana (AC). Amazonas não foi incluído pela destituição do governador José de Melo.



INSISTO: O critério desta classificação não está preso a pesquisas junto a população, que acompanha a administração. É o resultado da equiparação do que foi proposto oficialmente no TSE no registro da candidatura, com o percentual do que já foi realizado neste período. Cada caso é um caso. Se Flavio Dino resgatou 91,89% de suas propostas, Reinaldo resgatou 47,82% de seu plano de governo.



ENFIM… a candidatura do ex-juiz Odilon segue firme ancorando-se no propósito de renovar e naturalmente aproveitando-se no desgaste adversário mostrado em pesquisas. Se a candidatura do ex-governador André Puccinelli (MDB) não é levada a sério nos bastidores políticos, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) faz a política municipalista e mantém o grupo unido e deverá disputar a reeleição.

Voltar
Site desenvolvido por: