06/10/2018 - 05:15

Financiamento garante retomada das obras do Belas Artes e conclusão de poliesportivos

PMCG
A Prefeitura de Campo Grande vai dar continuidade às obras do Belas Artes e concluir os poliesportivos do Parque do Sol e Noroeste. O investimento, de R$ 11,5 milhões, por meio de financiamento com a Caixa Econômica Federal, via Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento), garantirá R$ 7 milhões para  terminar  a primeira etapa do Centro de Belas Artes; R$ 1,7 milhão para a conclusão das obras e pavimentação do entorno da Praça  de Cultura, Esporte e Lazer do Parque do Sol; e R$ 1 milhão para a Praça do Jardim Noroeste.

“O financiamento que conseguimos com a Caixa demonstra a credibilidade da Prefeitura com a instituição. Vamos terminar estes poliesportivos do Parque no Sol e do Jardim Noroeste. Também vamos melhorar a estrutura da sede da Secretaria de Obras. Somos gratos ao deputado federal Luiz Henrique Mandetta,  que liberou a emenda para reformar o teatro Octávio Guizzo e ao ministro Carlos Marun, que atua em Brasília para liberação de recursos para nossa Capital”, declarou o prefeito Marquinhos Trad.

De acordo com o Superintendente Regional da Caixa Econômica Federal, Evandro Narciso, com este recurso a Prefeitura de Campo Grande tem condições de cumprir as contrapartidas e fazer com que as obra chegue ao seu término e objetivo.

“Quanto mais tempo demora para terminar a obra, maior é a contrapartida. Com a liberação dos recursos a Prefeitura concluirá estas obras que são importantes para Campo Grande”, diz Evandro.

De acordo com a diretora-executiva de Projetos da Secretaria de Governo, Catiana Sabadin, a obra do Centro de Belas Artes foi paralisada na administração anterior e está sendo retomada na administração do prefeito Marquinhos Trad.

“Nós retomamos os projetos e fizemos os levantamentos que faltavam. Constatamos a necessidade das contrapartidas, que nós estamos viabilizando com o aporte desta operação do Finisa. Estes recursos geram uma funcionalidade nas salas de danças e artesanato e o hall de entrada. Este é um bom inicio e com isso nós temos como repensar os restantes dos recursos para toda área, que podem vir com a parceria de empresas privadas”, diz Catiana.

Uma parcela complementar dos recursos, R$ 1,8 milhão, será investida na  estrutura da Sisep (Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos),  como a implantação e compra de equipamentos de laboratório de solo, construção de um auditório, readequação do prédio da Secretaria, que tem mais de 40 anos.  O objetivo, segundo o secretário Rudi Fiorese, é garantir melhores condições  de trabalho, especialmente  para elaboração de projeto, fiscalização e acompanhamento das obras.

No caso do Centro Belas Artes, o recurso do FINISA (R$ 7 milhões)  será usado como contrapartida da  Prefeitura para retomar a obra, interrompida há mais cinco  anos, e evitar que o Ministério do Turismo rescinda o convênio   e exija a  devolução de R$ 20 milhões,  valor corrigido dos convênios .

A conversão  da estrutura projetada para ser rodoviária, num espaço para exposições e atividades culturais, foi orçada inicialmente em R$ 35 milhões. Os R$ 3 milhões disponíveis, saldos dos convênios, é insuficiente para recuperar e terminar os 2.900 metros quadrados,já readequado para  funcionar como  Centro de Belas Artes.

Segundo o secretário Rudi Fiorese, só para refazer o que foi destruído por vandalismo e repor materiais furtados do prédio  desde  a interrupção da obra,  é preciso aplicar aproximadamente R$ 4 milhões. Concluída esta etapa, a Prefeitura planeja estruturar uma parceria  público privada para readequar os 13 mil metros quadrados do que seria uma rodoviária

Praças da Cultura

Os recursos do Finisa, R$ 2,7 milhões, vão viabilizar a conclusão de duas obras iniciada há 6 anos e que até agora não foram concluídas: as Praças de Esporte e Lazer do Parque do Sol e do Jardim Noroeste.  No Parque do Sol a Prefeitura retomou ano passado e está em fase de acabamento, faltando apenas a pavimentação das ruas que ficam no entorno.  Já foram investidos na obra R$ 2,1 milhões e para sua conclusão, compra e instalação de equipamentos, serão aplicados mais R$ 2,4 milhões. A  obra do Jardim Noroeste voltou a ser licitada porque a empreiteira que iniciou a construção rescindiu o contrato.

As praças tem 7 mil metros de área construídas em um hectare, com  pista de skate, pista de caminhada, quadra de vôlei de areia, campo de futebol society, quadra poliesportiva coberta, pista para salto e academia para terceira idade, além de equipamentos para malhação, com vestiário masculino e feminino. Contará também com anfiteatro, sala de cinema e um local fechado para convivência, com equipamentos de informática e salas de ginástica. Para terminar a praça do Jardim Noroeste será   necessário investir R$ 2.386.174,06.

 
Voltar
Site desenvolvido por: