10/01/2019 - 14:13

Gatinho cego vira atração na praça deitado em rede enquanto dono trabalha

Por Jaqueline Naujorks
G1/MS
À sombra de uma árvore na praça Ari Coelho em Campo Grande (MS), a cena de um gato deitado tranquilamente em uma rede enquanto seu dono faz macramê, chama a atenção.

O gatinho é cego, e pertence ao artesão Luiz Carlos Garcia, que passa seus dias ensinando artesanato. A rede foi tecida pelo dono, para mantê-lo sempre por perto.

Os dois vivem em um carro, que fica estacionado ao lado da praça. O gato chama-se Miau Ceguinho, e tem pouco mais de 2 anos. Luiz conta que ficou com ele porque ajudou a mãe do animalzinho no parto, e percebeu que ele precisaria de ajuda:

"Vi que ele nasceu cego e imaginei o quanto seria difícil a vida desse gatinho se não tivesse alguém para cuidar dele. Nós salvamos a vida um do outro. Eu o adotei, e ele me curou da depressão."

Miau virou atração: "Todo dia vem alguém pra tirar foto, fazer carinho nele, conversar um pouco. Às vezes ajudam a gente com ração, ou apenas dando atenção pro gatinho, ele gosta desse mimo", comenta.

Luiz conta que é portador do vírus HIV e estava muito triste quando adotou o gatinho: "Só Deus sabe o tamanho do meu amor pelo meu gato. Ele me ajudou muito, cuidar dele me fez querer viver. Somos inseparáveis", relata, emocionado.

Ele conta que a convivência no carro, onde vivem juntos, é tranquila. "Tínhamos um passarinho também que Miau sempre respeitou, mas ele cresceu e foi embora. Ficamos nós dois, sempre juntos. Nós somos uma família unida".

Por conta da doença, Luiz recebe uma aposentadoria, que sustenta os dois. Ele conta que o pai chamou-o para viverem juntos, mas disse que não aceitaria o gato, por isso ele decidiu viver no carro. "O que tenho dá para mim e meu gato, e para que meu ofício sirva apenas para ensinar. Nós vivemos em paz, temos um ao outro. O importante, para mim, é poder estar sempre perto do Miau".

Luiz comenta que uma demonstração de respeito e amor aos animais não deveria surpreender: "A condição de vida não é desculpa para abandonar um bicho ou tratar mal qualquer animal. Eu cuido do meu ceguinho como se fosse um filho, inclusive enquanto trabalho. O amor pelos felinos, pelos animais, tem que ser multiplicado", finaliza.

Voltar
Site desenvolvido por: