12/08/2017 - 16:35

Aposentado terá 1º Dia dos Pais em casa após sofrer infarto e ser salvo por filha enfermeira

Por Graziela Rezende
G1/MS
Evângelo Demétrio Palieraqui Filho, de 77 anos, terá o primeiro Dia dos Pais em casa depois de ter sofrido infarto e ter sido salvo pela filha, a enfermeira Emília Garrucho Palieraqui, de 23 anos, em Campo Grande.

Há um ano, o plantão no centro cirúrgico estava prestes a encerrar quando a enfermeira entrou em contato com o pai para buscá-la no hospital. Após um atendimento exaustivo, de 12 horas seguidas, tudo o que a jovem queria era descansar. O sofá da sala a esperava. Mas foi neste mesmo ambiente que ela teve a missão de salvar o pai.

“Eu deitei para assistir televisão no sofá, enquanto meus pais estavam no outro. Na casa, em outro cômodo, também estava o meu irmão mais novo. Lembro exatamente que meus pais estavam de mãos dadas e eu quase cochilando. Foi quando escutei um ronco e um suspiro muito forte. Chamava Ivan, Ivan, e não respondia. Quando ligamos a luz, constatei que ele estava em parada cardíaca. Foi o momento mais agoniante para mim”, comentou Emília.

Formada em tão pouco tempo, a jovem contou que jamais imaginou ter de realizar atendimento de um parente. “A gente não imagina, ainda mais quando se trata do seu pai. Eu o coloquei no colo e dei os primeiros atendimentos, os primeiros socorros. Meu irmão não conseguia nem ligar para o Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência]. Quando entrou em contato, eles demoraram cerca de 20 minutos”, relembrou a jovem.

Com a chegada de equipe plantonista, Evângelo foi estabilizado e entubado no chão da sala. Em seguida, foi encaminhado para a Santa Casa.

“No hospital, a médica perguntou quem tinha prestado os primeiros socorros e eu fiquei com medo de responder, achando que tinha feito algo errado. Só que ela me parabenizou e, neste momento, eu chorei muito. Foi um misto de alívio e gratidão, já que ela disse que este atendimento foi essencial para a sobrevivência dele”, ressaltou a enfermeira.

Da internação até a alta, 30 dias se passaram. Filha e esposa do aposentado se revezaram durante as noites no hospital. “Foi exatamente um mês na área vermelha e, após isso, foi colocado um desfibrilador interno no coração. Meu pai já tinha passado por outros procedimentos, mas ele se recuperou bem e contamos a ele tudo o que ocorreu. Todos aprenderam muito com esta situação”, garantiu a jovem.



Aprendizado

Entre as lições, Emília contou que “as palavras de amor não podem ser deixadas para amanhã”. Além disso, a paciência sempre deve ser exercida com os pais. “Ele continua nos cuidando e fala, com o maior amor do mundo, que a filha o salvou. São nestas horas que eu também tenho a certeza que escolhi a profissão certa. Mesmo sendo meu pai, aprendi também que preciso ter foco e estabilidade emocional nessas horas”, ressaltou.

Mesmo com o ocorrido, o idoso não teve nenhuma consequência neurológica. “Ele caminha, fala normal e os médicos ficaram maravilhados com a melhora dele. Este será o nosso primeiro Dia dos Pais juntos, com ele fora do hospital. Agora nós queremos festejar de verdade. No meu caso, sempre tive uma ligação muito forte e sempre estou grudada com ele em fotos, desde pequena. Acredito que nada é por acaso e fico muito feliz de ter conseguido. Não consigo nem imaginar como seria se eu não estivesse lá”, comemorou.

Antes da faculdade, em 2009, Emília contou que o pai também teve um problema no coração e a sua mãe fez um único pedido. “Ele fez uma cirurgia da válvula mitral e teve várias paradas cardíacas. Minha mãe sempre teve uma fé muito grandes e pedia, em suas orações, para que o Ivan tivesse a oportunidade de me ver formando e dançar a valsa comigo. No mês de abril de 2016, ele dançou comigo e quatro meses depois, teve a parada”, relembrou.



Neste domingo, mais uma vez, o pai dará uma grande lição para família. “A partir deste acontecimento eu aprendi que todos nós vivemos muito tempo sem amar, perdoar e aproveitar a vida. Muitas vezes, só trabalhamos sem ter tempo para ser feliz. Eu nunca esperava passar por isso, mas hoje dou muito valor no tempo, que é o nosso bem maior”, finalizou Evângelo.
Voltar
Site desenvolvido por: