01/11/2018 - 05:11

Vereadora e ex-secretário estão entre presos pelo MPE em operação

Por RAFAEL RIBEIRO
Correio do Estado
Três dos quatro presos em decorrência da Operação Pregão, desencadeada na manhã de hoje (31) em Dourados, devem ser transferidos ainda nesta quarta-feira à Penitenciária Estadual da cidade. As informações são do portal 'Dourados News'.

O secretário Municipal de Fazenda, João Fava Neto, o diretor do Departamento de Licitação, Anilton Garcia de Souza e Messias José da Silva, dono da empresa Douraser Prestadora de Serviços de Limpeza e Conservação – Eireli, estão no 1º Distrito Policial, mas já tiveram a remoção solicitada pelo delegado Adilson Stiguivits.

A vereadora e ex-secretária de Administração e Educação na gestão Délia Razuk (PR), Denize Portollann (PR), ficará numa sala destinada à Ordem dos Advogados do Brasil local, também no 1º Distrito Policial. 

Os quatro passaram por oitivas no Ministério Público Estadual e foram levados à delegacia no início da tarde. 

Ao fim da operação, informações preliminares apontavam para mais uma pessoa presa na mesma operação, porém, não houve a confirmação. 

A PARLAMENTAR

 Denize assumiu o posto no dia 12 de setembro, no lugar de Braz Melo (PSC), afastado por improbidade administrativa. 

Ela atuou como secretária Municipal de Administração logo no início do mandato de Délia Razuk (PR) e depois passou para a Educação, deixando a função desempenhada desde o ano passado em fevereiro. 

Na sua gestão frente a pasta, contrato de quase R$ 2 milhões foi assinado junto a empresa Energia – alvo de buscas na mesma operação - para que 98 merendeiras prestassem serviço à Rede Municipal de Ensino.

Houve dispensa de licitação na medida, o que acabou desencadeando processo investigatório por parte do poder público.

O CASO

A Operação Pregão apura supostos crimes de fraude em licitação, dispensa indevida de licitação, falsificação de documentos, advocacia administrativa, além do crime conta a ordem financeira, todos ocorridos durante a atual gestão municipal. 

No total, participaram da operação 13 equipes, compostas por aproximadamente 75 policiais militares, civis e servidores, além de seis promotores de Justiça de Dourados e Campo Grande.

Policiais militares que auxiliaram nas ações também estiveram na Energia, de propriedade de Pedro Brum Vasconcelos Oliveira, para cumprir mandados de busca e apreensão. A empresa é investigada pelo Ministério Público após ter fechado contrato de R$ 1,9 milhão com a prefeitura, sem licitação.   

Logo no início da manhã de hoje, a operação foi desencadeada em diversos endereços de Dourados, entre eles, a Secretaria de Fazenda e o Departamento de Licitações, localizados no CAM (Centro Administrativo Municipal). 

Ao fim da varredura, o grupo coordenado pelo promotor Ricardo Rotunno, da 16ª Promotoria de Justiça de Dourados, deixou o local com calhamaço de documentos que serão usados nas investigações. 
Voltar
Site desenvolvido por: