25/06/2018 - 05:15

Cida teria pago R$ 7 mil ao partido, fica sem espaço e pede desfiliação

Renata Haddad
Correio do Estado
A defesa da vereadora de Campo Grande Enfermeira Cida Amaral (PROS) apresentou na Justiça os motivos que a fizeram trocar o Podemos pelo PROS, em abril deste ano. A defesa apresenta justa causa e também cita depósito de R$ 7 mil na conta da sigla, feito pela vereadora, sem saber o destino do dinheiro. O valor é referente a 5% do seu salário e foi pago à sigla ao longo de nove meses. 

A troca de partido só foi permitida para deputados, e justa causa era a maneira de o político poder mudar de sigla sem perder o mandato. Segundo a defesa de Cida Amaral, o valor depositado na conta do Podemos foi porque, em um ano e cinco meses de mandato, ela recebeu apenas dois comunicados do partido, sendo o primeiro pedindo a cedência de um servidor para trabalhar na sigla e o segundo apontando a conta para depósito da contribuição partidária.

Os motivos de não permitir que Cida tivesse espaço na legenda, de acordo com o processo, foram a resistência dela em não contribuir financeiramente. Sendo assim, a vereadora resolveu depositar R$ 7 mil devidamente identificados com nome e CPF, sem saber onde e com que finalidade foi investido o respectivo valor. O dinheiro era uma justificativa usada pelo partido, pois, caso a vereadora fosse presidente da Executiva Municipal, ela teria a prerrogativa de investir e destinar os valores na ação política.
Voltar
Site desenvolvido por: