10/06/2017 - 05:40

Planilhas da JBS correspondiam exatamente à proporção de 20% de propinas...

Manoel Afonso
OS ESTRAGOS eleitorais por aqui não distinguiram partidos e lideranças. É bom saber: um mês antes de estourar o caso da delação de Joesley Batista, a Polícia Federal já havia remetido à Justiça Federal planilhas da JBS sobre o pagamento de propinas no valor de R$ 34 milhões endereçados a políticos e ao PMDB local.

DETALHES Os documentos foram apreendidos pela Polícia Federal na ‘Operação Lama Asfáltica’. Mas ainda em 2016, a mesma PF apreendeu na casa de um secretário adjunto da Fazenda Estadual, planilhas com datas, nomes, valores e cópias de três acordos de incentivos fiscais da JBS e Governo Estadual.

AUDITORIA das planilhas mostrou; os benefícios tributários obtidos pela JBS correspondiam exatamente aos valores anotados como pagamentos à proporção de 20%; R$ 5 milhões ao PMDB, R$ 9,2 milhões para uma empreiteira e R$ 2 milhões à uma gráfica, entre outros. Joesley foi categórico: “começou na época do governador e atual deputado Zeca do PT”.

VERDADE? Valdir Boni, delator no acordo fechado com a Procuradoria Geral da República, diz que a JBS pagou R$150 milhões como remuneração pelos decretos.

AS REAÇÕES dos políticos locais não podiam ser diferentes, como aliás, tem sido nos casos de todos personagens envolvidos na ‘Lava Jato’. Negam.

A NOTÍCIA é do conhecimento público e teria gerado prejuízos aos cofres públicos. Daí que a intervenção do Ministério Público Estadual deve se fazer presente, mostrando sua independência. O órgão é diferente da Assembleia Legislativa, uma casa que se pauta pela conveniência política.

NOTAS FISCAIS Como estão as investigações para se saber se os emitentes tinham lastro para tais emissões? A Polícia Rodoviária Federal comprovaria que os ‘caminhões fantasmas’ dos tais bois não teriam sido detectados nos radares das rodovias que demandam às fazendas citadas. Saíram de helicóptero?



NOS PORÕES do poder há muita sujeira. A delação da JBS mostrou os "operadores" das mutretas: Ivanildo da Cunha Miranda, João Baird e André Luiz Cance.  



AGRAVANTE Enquanto se discute a pesca do dourado na Assembleia Legislativa as manifestações por aumento salarial vão aparecendo. Cansados de tentar uma negociação através do poder legislativo, os policiais civis acenam com greve. O acampamento em frente a governadoria prova isso.



E AGORA? Por motivos óbvios há mais dúvida do que certeza quanto aos resultados da Comissão Parlamentar de Inquérito criada para investigar as denúncias de corrupção no Governo Estadual entre 2010 e 2017. Os 5 deputados terão até 180 dias para apresentar sua conclusão. CPI ; sabe-se apenas como começa. O final é incerto.

Voltar
Site desenvolvido por: