03/10/2018 - 04:09

Eleições: Chegou a nossa vez!

Carlos Trapp
Teria muitas coisas para falar, mas quero destacar que nós eleitores temos agora a oportunidade de dar a nossa contribuição, pois temos a chance de escolher bons candidatos.

Entristeço-me quando ouço pessoas dizerem que não irão votar, desperdiçando a oportunidade de uma escolha adequada. Outros preferem anular o voto ou votar em branco, sendo que tudo isso é nocivo também.

Então, há ainda os que preferem ficar se lamuriando depois, em vez de escolher bons candidatos agora, quando é o tempo oportuno.

Por isso, vamos orar, vamos analisar, vamos ouvir os programas eleitorais, enfim, nos informar sobre os candidatos e votar conscientemente.

Falando em analisar, gostaria de citar um comparativo entre a Cultura Judaico-Cristã e o Marxismo Cultural, sendo que na comparação a Cultura Judaico-Cristã é citada primeiro, e após o Marxismo Cultural:

1. Leis absolutas – Criacionismo, 1. Relativismo moral – Evolucionismo;

2. A base da sociedade é a Família, 2. O Estado em detrimento da Família;

3. Ideologia do sexo: Macho e Fêmea, 3. Ideologia de gênero: LGBT;

4. Mentalidade da abundância, 4. A cultura do desincentivo;

5. Cooperação entre classes: O rico funciona como elevador social, 5. Luta de classes: o rico é a desgraça do pobre;

6. Desenvolvimento comunitário, 6. Assistencialismo eleitoreiro;

7. Livre comércio, 7. Burocratização;

8. Liberdade com responsabilidade, 8. Cultura da impunidade – o coitadismo.

Espero que esse comparativo ajude o eleitor na hora de escolher os seus candidatos.

Isso feito, procure também influenciar outros para votarem em bons candidatos. Há os que falam apenas no seu voto, mas não querem se empenhar por alguém. Isso é ajudar os maus candidatos, pois são favorecidos com isso. Portanto, conscientize-se de que não há neutralidade e ajude bons candidatos, pois hoje isso é muito fácil pelo uso das redes sociais.

O que me move a fazer essas colocações é o grande peso que as eleições tem, pois se escolhermos mal vamos sofrer, no mínimo, por quatro anos. Sei que um governante pode ser afastado, mas isso é um processo altamente moroso.

Então, vamos exercer nossa cidadania, vamos demonstrar nosso amor ao Brasil. Enfim, vamos aproveitar bem a nossa vez de votar conscientemente!

Carlos Osmar Trapp, pastor batista (OPBB/3650) e jornalista (DRT/MS, 928)
Voltar
Site desenvolvido por: