30/09/2017 - 17:12

Clientes reclamam que baixa na gasolina não chega às bombas da Capital

Raiane Carneiro
Midiamax
"Quando é anunciado um novo aumento nos preços dos combustíveis, o preço dispara no dia seguinte. Mas quando é uma redução, a diferença demora para aparecer". É essa a sensação que o consumidor tem quando vai abastecer após um reajuste no valor da gasolina e diesel em Campo Grande. O Jornal percorreu alguns postos da Capital e ouviu os clientes sobre a nova redução anunciada pela Petrobras nesta semana, que deveria valer a partir deste sábado (30).

No primeiro posto, localizado na Maracaju esquina com Calógeras, uma fila se formava para aproveitar o valor de R$ 3,48. O preço baixo causou estranheza em um dos clientes. “Eu li sobre isso [a redução] em algum lugar. Estou até meio surpreso porque nunca chega nos postos”, comentou o jornalista Silvio Mori.

E que estava no local pelo preço atraente foi o auxiliar de serviços gerais, Alan Victor Ferreira dos Santos, que não sabia da redução, mas gostou da notícia porque tem visto preços muito elevados. “Tenho visto sempre na faixa dos R$ 3,69, ou R$ 3,59”, disse.

Em outro posto localizado na Rui Barbosa, esquina com a 26 de agosto, mais os consumidores estavam abastecendo a gasolina a R$ 3,44. Apesar do preço baixo, muita gente ainda desconfiou que iria encontrar preços menos pelos postos da Capital. “Quero ver baixar. É difícil deles repassarem [a redução para o consumidor], essa é a realidade”, contou o auxiliar administrativo Marcos Sales. Ele contou que já viu postos ofertando preço de gasolina por R$ 3,80.

Outro cliente que ficou sabendo da redução contou que também não vê a diminuição nas bombas de combustível com a mesma velocidade que os aumentos. “Se se falam de aumento, se vai lá no dia seguinte e já está lá.

Quando é redução, demora uma semana”, disse o marceneiro Sidnei José da Silva. A percepção é reforçada pelos estabelecimentos que ele conhece. “Perto de casa está a mesma coisa, com preços de R$ 3,68”, comentou.

Neste posto, em frente à Praça dos Imigrantes, a reportagem foi informada que o preço já era mantido menor desde sábado passado (23), quando ainda não havia sido anunciada a redução. Já no posto da Maracaju, a informação foi a de que o preço já era reflexo da redução.

O gerente de um posto de combustível, localizado na avenida Fernando Correa da Costa com a 13 de Maio, Luiz Alberto Calepso, explicou que também não sentiu a redução anunciada na hora de pagar pelo combustível recebido. “Paguei R$ 3,42 no litro do combustível. Redução significativa seria se voltasse ao patamar anterior, de R$ 3,33, por exemplo”, disse.

O gerente ainda ressaltou que por este motivo ele não repassou nenhum desconto para as bombas, que registram o preço de R$ 3,67 para gasolina e de R$ 3,59 para diesel.

Redução

Após uma série de altas, a Petrobrás anunciou que queda nos preços da gasolina e óleo diesel negociados em suas refinarias. A gasolina terá uma queda de preços de 2,1%, enquanto o recuo do diesel será de 1%, segundo informações da estatal.

As quedas de preços passam a valer a partir de deste sábado (30) e se referem apenas o preço do combustível negociado para as distribuidoras. O preço para o consumidor final pode ter um reajuste diferente desse, porque o valor é definido pelos postos de combustível. Se for levado em consideração o índice, a gasolina pode ficar R$ 0,08 mais barata, e o diesel R$ 0,04.
Voltar
Site desenvolvido por: